Será que a Agência Nacional de Saúde Suplementar, a ANS, age com seriedade?

18 de setembro de 2017 0 Comments Nossa Opinião 456 Views
Será que a Agência Nacional de Saúde Suplementar, a ANS, age com seriedade?

           Existe um mistério de difícil aceitação que é o modelo da ANS quando determina certas coisas. E evidente para todos, tanto quem compra serviços e produtos na saúde suplementar, como quem vende, que o modelo da ANS algumas vezes beira a insanidade, com atitudes que extrapolam o razoável.

            Os exemplos são inúmeros, como o ROL da ANS, que a cada dois anos apresenta obrigatoriedade de oferecimento por parte das operadoras de planos de saúde, quer sejam privadas, quer sejam autogestão ou de entidade públicas, que acrescentam gastos impagáveis para a maioria delas. Claro que em se tratando de autogestão ou as ligadas a entidades públicas, a gestão mesmo que seja realizada por pessoas com ótimas intenções, a falta de conhecimento profundo de algumas delas, sobre a realidade do mercado, associado a um certo temor de confrontar a ANS quando esta gera distorções graves com suas imposições, está levando o mercado de saúde suplementar ao colapso.

            Associado a este processo de “apodrecimento” da autogestão, de um modo geral, acoplando ao desastre que são as cooperativas médicas, a ANS criou uma aberração inexplicável, a diferença entre o reajuste para planos individuais e os planos coorporativos.

            Como entender esta lógica, se os planos coorporativos têm seres humanos para serem tratados, iguais aos dos planos individuais, contudo, as operadoras, com liberdade para ajustarem como quiserem, praticam aumento de custos nas mensalidades, aumentos estes que variam de 10% a 40%, dependendo de como as operadoras analisam o custo do associado ou beneficiário, e, estes aumentos estão obrigando a massa assistida a desistirem de seus planos de saúde, e ficarem a mercê do SUS, ou a migrarem para planos “meia boca”, ou seja, oferecem perfumaria, mas tratamentos para doenças graves, raras e crônicas, não existem.

            Quando será que o Ministério da Saúde vai acordar para a realidade do mercado? Quando será que o Governo Brasileiro vai entender que em pouco tempo, terá de ser responsabilizar por uma quantidade enorme de pessoas que irão para o SUS se tratar, quando nós sabemos que o SUS não comporta e nem suporta atender o que já tem?

            A ANS continua sendo um mistério para mim, uma caixa de surpresas desagradáveis, mesmo com todo o benefício que sua ação trouxe ao mercado, o que eu não contesto.

A DIRETORIA

Artigos Relacionados

0 Comentários

nenhum comentário até agora!

Você pode ser o primeiro Comente esse post!

Deixe uma resposta